o prazer do difícil

Foto: Jeff Bark, 2007. O PRAZER DO DIFÍCIL William Butler Yeats Tradução: Augusto de Campos O prazer do difícil tem secado A seiva em minhas veias. A alegria Espontânea se foi. O fogo esfria No coração. Algo mantém cerceado Meu potro, como se o divino passo Já não lembrasse o Olimpo, a asa, o espaço, Sob o chicote, trêmulo, prostrado, E carregasse pedras. Diabos levem As peças de teatro que se escrevem Com cinqüenta montagens e cenários, O mundo de patifes e de otários, E a guerra cotidiana com seu gado, Afazer de teatro, afã de gente, Juro que antes que a aurora se apresente Eu descubro a cancela e abro o cadeado. THE FASCINATION OF WHAT’S DIFFICULT The fascination of what’s difficult Has dried the sap out of my veins, and...

Leia Mais

meio tom em sintonia de Leminski, um poema, um Sr. Livro e ave Poesia!

Sintonia para pressa e presságio Escrevia no espaço. Hoje grafo no tempo, na pele, na palma, na pétala, luz do momento. Sôo na dúvida que separa o silêncio de quem grita do escândalo que cala, no tempo, distância, praça, que pausa, asa, leva para ir do percalço ao espasmo. Eis a voz, eis o deus, eis a fala, eis que a luz se acendeu na casa e não cabe mais na sala. Paulo Leminki – Os Cem melhores Poemas Brasileiros do Século – pg.279. Organização Italo Moriconi-Editora Objetiva Psiu! Leiam mais sobre Leminki e também a resenha TEMPO: A MELHOR MEDIDA É A DA POESIA, por Tânia Du Bois no site Meio Tom. Amigos, gracias pela citação de Vidráguas rumo a mais poesia…...

Leia Mais

boNeco, bomNix msn…

mensagem simulações e no ar, tantas palavras querendo viver impressões remotas que ao sair da memória voam estado, estar em ser, dedos, inclinações de um falar às vezes, ausentes noutras, em linha noutras garfos de almoço, garras de telefones ocupados e no pior estado: foraDelinha! formatademente isolado ilhado entre cartas a cartões que delimitem espaços hoje proclamo: bonequear, um novo verbo na cartilha, nova realidade jogando dígitos com teclas para que o amanhã da Manhã seja sempre infinitivo… E ser verbo, ser substantivo, ser adjetivo são sereres de não ser, um boneco a jogar com o tempo, nada mais que um vento ao sol apenas vento, do furaCão palavras perdidas no abismo que ao rescutar o próprio coração escuta a...

Leia Mais

entre rios, Sena e Guaíba, poema de um Sr.Livro

Entre o Sena e o Guaíba por Alcy Cheuiche Entre o Sena e o Guaíba gestei a minha poesia Junto ao Sena fui boêmio Junto ao Guaíba, menino Entre os dois rios tão distantes vivi os sonhos errantes de uma alma em formação No Sena bebi cultura no Guaíba, inspiração Trago os dois rios no meu corpo sem misturar suas águas No Sena lavou o rosto nossa História Universal Guaíba é o sangue da terra dourado de pôr-do-sol. Leiam mais sobre a Biografia deste autor Romances • O gato e a revolução – 2ª Edição – AGE • Sepé Tiarajú – Romance dos Sete Povos das Missões – 5ª Edição no Brasil (AGE), 2ª Edição no Uruguai (Banda Oriental), 1ª Edição na Alemanha (Ed. Evangélica Luterana) • O mestiço de São Borja – 5ª...

Leia Mais

desvendando a história da África, um livro de José Rivair Macedo

Leia Mais

poema à Carolina

Foto: Marc Riboud, Magnun Photos, French mime artist Marcel Marceau. Poema à Carolina Breviário face de pó vento ao fogo Ar antiga moeda de escuras sombras Homem névoa louca de um breve Poema, reVersos… Carmen Silvia Presotto

Leia Mais

troféu ao Amigo do Livro, vidráguas a mais leituras

CRL entrega o troféu Amigo do Livro A Noite do Livro, realizada pela Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL) na última sexta-feira (24), foi o momento de homenagens da Semana do Livro em Porto Alegre. Em solenidade realizada no Teatro do Grêmio Náutico União, a entidade entregou o troféu Amigo do Livro a pessoas e instituições que fizeram a diferença no incentivo aos livros e a leitura em 2008. Os mestres de cerimônia deram o tom da noite: Narizinho, Dom Quixote e Hamlet, interpretados pelos atores Valquíria Cardoso, Heinz Lima Verde e Jairo Klein, respectivamente, conduziram a entrega das homenagens, depois de distribuir rosas e livros para algumas pessoas da platéia. Os primeiros a receber o troféu Amigo do Livro foram os funcionários de empresas...

Leia Mais

escrever e ler, atos verdadeiros, um poema,uma crônica, uma homenagem amiga na semana do Sr. Livro

ESCREVER por Pedro Du Bois Evito escrever verdades veleidades aleivosias (abismado em águas descobertas receio o eco inebriado: letra estrangulada) reviro mentiras ao lado desproporcionado em cantos: calo o verbo. Levanto bandeiras em punhais enviesados. Verdades: a indiferença anotada no canto da folha jogada ao chão de outonos. (Pedro Du Bois, inédito) E LIVRO INFANTIL: LER E CONTAR por Tânia Du Bois Era uma vez uma avó que, antes das netas dormirem, lia histórias usando vozes diferentes para interpretar os personagens. As netas acompanhavam encantadas, imaginando castelos, princesas, bruxas, animais, enfim, o que havia de significativo em cada linha de aventura. O...

Leia Mais

dois amores ao mesmo tempo

DOIS AMORES AO MESMO TEMPO Fabrício Carpinejar Uma biblioteca desarrumada não significa que é menor. Estantes com filas duplas não sinalizam desordem. Um livro que não se encontra não está perdido. Não achar alguma coisa é mexer em obras esquecidas e ler o que não se esperava. Não sou contra a catalogação. Nada disso. É que livros lidos são naturalmente livros fora de ordem. Escapam do crivo, deitam em dormitório alheio, se misturam com ansiedade. Duvido de uma biblioteca ordenada em excesso, impecável, limpa. Parece que a única leitora é a traça. A vida não deixa nada em seu lugar. Como ler sem contrariar o rumor alfabético? Como viver sem contradição? O mesmo posso pensar dos amores. Desejamos ao longo dos dias ter um casamento...

Leia Mais

NÓS, AS BIBLIOTECAS E A LEITURA

por Affonso Romano de Sant’Ana Foto Ricardo Hegenbart- Feira do Livro Londres,2009 Dizia eu no seminário sobre leitura e bibliotecas organizado pela Superitendência das Bibliotecas Públicas em Minas, que um país é o que são as suas bibliotecas. E relembrando vivências de quase 20 anos atrás( ” le temps s’en va Madame, le temps, s’en va” -dizia Ronsard), a biblioteca de um país é uma espécie de metáfora epistemológica. Mitterrand, ergueu aqueles imensos edifícios da “Très Grande Bibliothèque”, porque a França sempre colocou a cultura como um de seus pilares. Quando fui a um congresso em Nova Delhi(India) descobri que a “National Library” americana mantinha 110 funcionários lá coletando tudo sobre...

Leia Mais
Untitled Document
Home | PhotoPoemas | Clube de Leituras | Projeto Vidráguas | Publicações | YouTube | Contato

Tivemos 9.981.558 visitas desde 14/01/2009
Todos os direitos reservados. Copyright ©
Analista de Sistemas Rúbia Formigheri

Rua Francisco Ferrer, 441/507.
Rio Branco - Porto Alegre / RS
Telefone (51) 3392 3727