PAIXÃO em ORDEM, crônica de Tânia Du Bois…

PAIXÃO em ORDEM
por Tânia Du Bois


644472_478736815492884_920299782_n

”Pego a palavra amor e dentro / dela semeio meu sigilo: /
este rumor do mar batendo, / esta paixão, este suspiro”
(Gilberto Mendonça Teles)


Quão poderosa é a paixão? Para responder a essa pergunta é preciso ordenar os sentimentos, encontrar o amor, a cura da alma e buscar o sonho. Apaixonamo-nos muito, de forma desordenada e desesperada, quando jovens. Com o passar dos anos a paixão é mais aberta, madura para amar uma pessoa como ela é. Encontro em Paola Rhoden que “A felicidade está em fazer de cada pequeno instante // um grande começo, / e confesso, / que não fiz deles, // uma ponte de sucesso…” e, em Frederico Barbosa, “…sentimento: forma que reforma dentro.”

A paixão muda o comportamento, as atitudes e estabelece preferências, como conversar olho no olho. É poderoso sentimento que desafia e acalenta o coração. Os sentidos entram em comunicação, permeando e transmutando impressões e sensações. Essa desordem sensorial é a paixão. O apaixonado faz gênero sensível, como amante do risco tem a coragem para combater o medo e enfrentar as diversidades. Estar apaixonado é se relacionar verdadeiramente e expressar emoções mais profundas. É falar sem palavras, produzindo estímulos que levam ao que realmente somos ou sentimos. Nas palavras de Pedro Du Bois, …amantes, na comunicação / com que se elevam, beijos / e contatos, a paixão entregue / ao anunciar dos desejos…”

Como quesito do sentimento na poesia, lembro o Poeta da Paixão, Vinícius de Morais, por dois motivos: a importância da sua obra poética e por ter sido um homem que viveu intensamente, entrelaçando sua vida, acionando os sentidos, como em Onde está Você, Soneto de Fidelidade e A Luz dos Olhos Teus. Também saliento o livro de Luis Augusto Cassas, Liturgia da Paixão, que fala dos mistérios da paixão e do amor em sua pluralidade –”..De pequenos e grandes gestos / renasce o amor: / fogo no coração, / chuva na emoção, / até ressurgir a luz / cristalina da paixão.” E Carlos Higgie, no livro Caleidoscópio, conta que a paixão é sentimento que não tem limites, “…de cara para o mar, abraçados, os olhos perdidos no horizonte, olhavam como o sol pintava o céu…Era emocionante para ela, sentir a mão firme do rapaz na sua, as pernas quase se tocando, ele recitando uma poesia de Neruda e a natureza brindando-lhes com aquele maravilhoso espetáculo…” E, ainda Paulo Monteiro com a poesia, Paixão do livro Eu resisti Também Cantando.

Numa paixão o essencial é transformar o relacionamento em acontecimento: unir respeito e carinho. O segredo é se sentir em mudanças ao desejar a paixão como desordem dos sentimentos; ordenar as relações sabendo prestigiar a si mesmo para amar o outro: somar, dividir e multiplicar o amor. Como no livro Cantar de Amor – entre os escombros, de Frederico Barbosa, com poemas de amores que se multiplicam em encontros e desencontros, fugindo da ordem da paixão.


Tânia Du Bois, professora, bibliotecária, editora, amante de poesia, que conosco escreve todas quintas-feiras em Vidráguas!


A arte é Luiza Maciel Nogueira!

3 Comentários

  1. João Batista
    jun 6, 2013

    Parabéns Tânia… muito bonita a sua crônica…

  2. TâniaDu Bois
    jun 6, 2013

    Querido João,
    que bons ventos o trazem ao Vidráguas.
    Fico feliz que tenha gostado. Saudades!

    Carmen,
    gracias pela publicação.

    Beijos,
    Tânia.

  3. carmen
    jun 9, 2013

    Tânia, João!!

    Bom ter vocês em Vidráguas!!

    Beijos,

    Carmen.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Untitled Document
Home | PhotoPoemas | Clube de Leituras | Projeto Vidráguas | Publicações | YouTube | Contato

Tivemos 9.981.602 visitas desde 14/01/2009
Todos os direitos reservados. Copyright ©
Analista de Sistemas Rúbia Formigheri

Rua Francisco Ferrer, 441/507.
Rio Branco - Porto Alegre / RS
Telefone (51) 3392 3727