Vejas, bem! ( XLV), poema de Carmen Silvia Presotto

Coisa boa, mais um Vejas, bem! Vejas, bem! ( XLV) Na janela vendo a lua me senti tão além a senhora das horas das ondas do enredo alguém na sua, tão tua… … a desfiar segredos Vejas, bem! a noite está linda há estrelas… e na distância, a imensa ânsia do ser que sinto, sonho, pressinto névoas e labirinto… … teu cheiro adornando o infinito e eu aqui, tão piegas tão lúdica tão táctil lírica, no colo dos instantes aproximando mundos distantes Vejas bem! Hoje aLuo em A Lua* de Bandeira que me sopra: O mar jaz como um céu tombado/ Ora é o céu que é um mar, onde a lua, / A só, silente louca, emerge / Das ondas-nuvens, toda nua.” E sigo em coma de ser feliz. Carmen Silvia Presotto – Vidráguas, em mais...

Leia Mais

Vejas, bem XLIV, poema de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem XLIV Vejas, bem! Pedi um poema ganhei mundo passo, verso canto claroscuro ser aberto … coração futuro Vejas, bem! ser presente instante cheio pele poro pênsil ponte por teu eu balanço … me alcanço sem vagas vil vãs, és melhor hora do meu agora Vejas bem! Hoje escrevo com um sopro de Quintana*: O poeta é belo porque os seus farrapos são do tecido da eternidade”. E sigo em seta de ser feliz. Carmen Silvia Presotto – Vidráguas, em mais uma série de escrever. Esta traz um tom intimista, um monólogo interior que amo, conversando com Bandeira, Lispector, Woolf, Plath, Cecília, Quintana, Pessoa, Whitman, Octávio Paz , Mario Benedetti, Baltasar Gracián, Safo, Leminski, Shakespeare, Anaïs Nin, Leminski, Goethe,...

Leia Mais

Vejas, bem ! ( XLIII), poema de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem! ( XLIII) No calcanhar do medo, abotoo o léxico desato as mágoas o remorso o pecado penduro a saudade no cangote alicerço o amor nas entrelinhas e por cada verso Ser explícito, me desnudo, reformo me inovo Vejas, bem! ser por ser, minha busca minha verdade alma leve, eis que a vida é breve na balança dos dias, embrulho o peso das horas espano a dor me embalo leveza e por tão poucos tereres dou adeus ao mofos, rastros indigentes… sei que ao escrever em mim há gente com sede presente… assim existo assim vivo, Poesia! Vejas, bem! Hoje escrevo com um sopro de Bandeira: “Estás em tudo que penso. / Estás em quanto imagino. / Estás no horizonte imenso. / Estás no grão pequenino. […].” * Carmen Silvia Presotto...

Leia Mais

Vejas, bem! ( XLII), poema de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem! ( XLII) Vejas, bem! Um estrela estreia, no horizonte o Sol se aquieta no céu, agora luciérnagas piscam, despertas-me… a noite amanhece o dia descansa Vejas, bem! enquanto a Lua se espelha enlaço o momento… curvo o Ser ao firmamento deito o sentir no espaço, faço do olhar o regaço de deus … e te sonho! Vejas bem! Hoje escrevo com um sopro de Bandeira*: “ As estrelas, no céu muito límpido, brilhavam, divinamente distantes… um vaga-lume abateu sobre as hortênsias e ali ficou luzindo misteriosamente… Havia uma paz em tudo isso. […]“. E signo, sigo em coma de ser feliz. Rio de Janeiro – Janeiro 2014 Carmen Silvia Presotto – Vidráguas, em mais uma série de escrever. Esta traz um...

Leia Mais

Poema presente de Leila Onofre, coisa boa!!

Leila querida, que alegria, que abraço poesia este momento que teces, gracias mil!! Veja bem! Para Carmen Nasceu do aroma… Do amor Foi flor criança Foi chuva de verão Sol de montanha Jardim de Éden Amiga de Eros Veste anágua branca Brilho de lua á vida Fez-se mulher em pétalas Única à poesia Carmem, Carmem Silvia, flores te vestem, amor te pertence, coragem te segue em versos, em rimas, em sílabas és poetisa. Leila Onofre 27/08/2013 Parabéns — with Carmen Silvia Presotto. Leiam mais poemas no blog da...

Leia Mais

Vejas, bem ( XLI), monólogo poético de Carmen Silvia Presotto…

Vejas, bem! ( XLI) Na curva do verso – um espirro – Vejas, bem! Há palavras que atuam, limpam, confirmam o rumo trazem à pena veredas, aos dias prumo e certezas Olhos macio, mergulho em que me molho, palavra atenta, gostosa, maresia teu nome, tua pele, refúgio Teus versos, alicerce, presságio, rocio, inventos , lugar poema sumo, servidão, alforria dos sonhos o diadema, Poesia! Vejas bem! Hoje escrevo com um sopro de Quintana*: “ Quem ama inventa as coisas que ama… / Talvez chegaste quando eu te sonhava. / Então de súbito acendeu-se a chama! / Era a brasa dormida que acordava… “. E signo, sigo em coma de ser feliz. Carmen Silvia Presotto, em mais uma série de escrever. Esta traz um tom intimista, um monólogo interior que...

Leia Mais

Vejas, bem ( XL), monólogo poético de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem! ( XL) Pensei que fosse di – verso todo o meu sentir… mas um único momento, átono, lúdico átomo, pôs- me ao pé da métrica, coração… Pensei que fosse poesia toda a folia… mas uma nota, um olhar com – plexo, mostrou-me o fino o furo o mundo entre frestas e descobertas… Vejas,bem! … flores no peito, sol bemol, me alastro, me retrato, me faço ato em teu cheiro nado e versejo espumo, poemo… sinfonia, palavra sintonia … diadema de (h)eras, és poesia o filtro, o voo, o paço meu teorema. Vejas bem!! Viver é estar em cor que arde, aroma e viver em coma de ser feliz, perigosa lucidez… signo sigo em tempo de ser e hoje escrevo com o sopro de Arriete Vilela: “O avesso do poema é feito...

Leia Mais

Vejas, bem! ( XXXIX), monólogo poético de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem! ( XXXIX) Já se foi o Outono, agora inverna mas ainda no cangote o teu cheiro o Verão o ritmo o passo a dança na lança que setas, meu coração acelero o corpo sua, a música atua, presença forte bacante banquete de pés, mãos… alicerço verso, e onde estalas em palavra efeito bala disparo… valso bolero samba forró até mesmo um tango , não paro, cazuzo, Chico e Caetano… Veja, bem! Tiro óculos, boto lentes, lupas, luvas, cachecol, bota, entre mil chuvas… galochas. A tarde esfria no entanto, na pele, na alegoria, na imagem do ar em qualquer vento é tua a folia… Eros, almo, rio, canto, brinco, poemo, me embalo e agora, na melhor hora, és a porta aberta… Poesia simbora! Vejas bem! Hoje escrevo com um...

Leia Mais

Vejas, bem! ( XXXVIII ), monólogos poéticos de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem! ( XXXVIII ) Tenho no olhar todos os marulhos do mundo medo… e também a transparência de quem me deixo ser brava branda bela breve bruma brisa … bestiÁria, bestiAve…tempo ardida ópera, de mãe assustada pai sem esquinas, mão ventre livre papéis ao léu, desejos partidos – amores? Vejas, bem? voo, alça, tropeço, – estrelo ciganos inventos, giros, tormentos, acertos, enganos, a estes, chamo Eros, por ser poeta, Ele me escuta.: (mão ardida, umbigos trincados, dedos, passagens, versos já escritos, lidas e palavras…) … seu ser me abriga, arde, comparte entre tantos nãos seres, Eros compreende Entre leitura e aventuras , chega o abrigo, a Ele me aninho, recolho a menina para que a mulher...

Leia Mais

Vejas, bem! (XXXVII), monólogos poéticos de Carmen Silvia Presotto

Vejas, bem! (XXXVII) Hoje, tomei teus versos emprestados no parapeito dos sonhos, o amor todo todo recapitulado… deito na métrica sussurro no ritmo na última redondilha nado o soneto ? – carrego na bolsa teu aroma, no corpo com os versos voo sem pouso Vejas, bem! pássaro poético porta do sonho entre- aberta, metáfora em alerta SOL no cangote, bocejos lembranças, raios sutis dedos pincéis te persigo, me poemo e o dia se faz refaz longo, leio um sopro de Paul Celan: “ Com silencioso corpo / repousas na areia ao meu lado, / Superestrelada.”e sigo em coma de ser feliz. Carmen Silvia Presotto, em mais uma série de escrever. Esta traz um tom intimista, um monólogo interior que amo, conversando com Lispector, Woolf, Plath, Cecilia,...

Leia Mais

Vejas,bem! (XXXVI), monólogos poéticos de Carmen Silvia Presotto

Vejas,bem! (XXXVI) Na mão da noite, dedos, macios assombros no peito corpo e… aconchego Tenho em mim uma saudade… o desejo o sonho Vejas, bem! giros reflexos versos chuvas da memória, lagoas … espelhos por onde colho teu olhar com recato, cato… tato retrato emergência, amor minha saída de ausência tua mão uma porta, teu beijo estrelas conversas peles às palavras nuas… ecos da rua, da lua, de novo saudade e mais um dia amanhece Vejas bem! Hoje leio Hilda Hilst , Em Exercícios, que me sopra: “Nave / Ave / Moinho / E tudo mais serei / Para que seja leve / Meu passo / Em vosso caminho. “ E signo sigo em coma de Ser… Carmen Silvia Presotto, em mais uma série de escrever. Esta traz um tom intimista, um...

Leia Mais
Untitled Document
Home | PhotoPoemas | Clube de Leituras | Projeto Vidráguas | Publicações | YouTube | Contato

Tivemos 9.981.504 visitas desde 14/01/2009
Todos os direitos reservados. Copyright ©
Analista de Sistemas Rúbia Formigheri

Rua Francisco Ferrer, 441/507.
Rio Branco - Porto Alegre / RS
Telefone (51) 3392 3727