Classificar livros???

O caso “Hamlet” Em primeiro lugar, acredito que livros não têm classificação. Eles se classificam por si só: os leitores têm a liberdade de classificá-los. Hamlet, na minha opinião, cabe em qualquer estante. Em 1601, William Shakeaspeare escreveu sobre este Príncipe. Sintam. Em plena Era Elizabethana, ele retrata mais do que uma época, retrata o quê, atualmente, não podemos recusar. E uma vez que Hamlet – para mim – torna-se uma tradição, não se pode negar a ele à coroa de príncipe entre os intelectuais. Ironicamente, Shakeaspeare nos faz crer que ele é o intelectual dos intelectuais, representando a nobreza e o desastre da consciência ocidental. Como Hamlet, reconstruímos um passado, já que os eruditos, os artesãos, os...

Leia Mais

Porto Alegre

Um feliz aniversário não seria completo sem “O MAPA” de uma cartografia que guiou e segue guiando muitas mãos a catarem seus ventos com versos e sangue pelas ruas de nossa cidade. UM RECANTO DA CIDADE a Mario Quintana – A Rua dos Cataventos – Uma nave recorta a rua da Praia. Magestic Casa Rosa no coração da Cidade. Um quadro, tempo ladrilhado de mãos. Primeiro um hotel acolhedor, cheio de viagens e trajetos. Depois, o ninho do Poeta, em cujos Postigos se debatem suas asas, suas palavras, o tic-tac da máquina de escrever com o ranger do lápis e papel. Cataventos uma rua que é adorno. Colcha e retalhos, tecido com pedras de puro linho, botões de ares, pura esquina...

Leia Mais

Vidráguas

Porque chove… Tudo é água que empoça e embacia Tudo é lágrima que sublima, condensa e lava Porque choro… Chovo mais que o céu Transbordo-me Parto palavras como se ossos se liquifizessem Porque chove… Versejo em gotas de ilusão Espanto as horas mormacentas Granito janelas na rua Porque chove… Salpico meus pesadelos Nessas vidráguas, encontro a poeta Brindamos vidros com água… Uma de nós ganha liberdade. Poemar, prosar, cantar, vidraguar é brincar com as vozes, fazer uma aeróbica verbal, ler em situações insólitas o momento entre vogais. Dar cor à fonética para que a leitura não seja branca, vazia. Vidraguar é lamber o invisível para ancorar as imagens com a escrita. Dar voz ao sentimento para aprender a reler o...

Leia Mais

Há quanto tempo você não escreve ou recebe uma carta?

Incrível, nos dias de hoje se estar falando de selo, envelope, caminhadas ao correio. Mas, por aqui ganhamos tempo e seguimos o que Clarice Lispector e Fernando Sabino sempre fizeram… Claro, que faltara o bucólico, no entanto sempre poderemos estar em correspondências. Hei, não esqueçam! Hoje Chico Buarque estará chegando ao nosso alegre porto, quem sabe não lotemos as caixas do Sheraton Hotel com palavras? Senão, lembrem-se de que sempre há Pedros Pedreiros e muitas mulheres de Atenas espiando o encontro marcado. Aqui, segue uma a Maria Bethania,agora é com vocês: escrevam! Querida Poeta! Vidráguas… Oxalá, como nos diz o “poetinha”! “Dentro do Mar tem Rio…” Um dia em Porto Alegre não ouve retorno, o microfone emudeceu,...

Leia Mais

Helenas

Fado mal contado Helenas e Mulheres nos cais e adegas de Tróia . Todos pisoteados, somos soldados cavalos marchando em busca do impossível. um amor uma verdade sem fronteiras. Helena Sosa

Leia Mais
Untitled Document
Home | PhotoPoemas | Clube de Leituras | Projeto Vidráguas | Publicações | YouTube | Contato

Tivemos 10.144.470 visitas desde 14/01/2009
Todos os direitos reservados. Copyright ©
Analista de Sistemas Rúbia Formigheri

Rua Francisco Ferrer, 441/507.
Rio Branco - Porto Alegre / RS
Telefone (51) 3392 3727