Poema anexo, poema de Carmen Silvia Presotto

Desafio poético – leitura de imagem (109), um projeto de TaniaContreiras Arteterapeuta. POEMA ANEXO As sombras que espinham os portais entardecem o verde no mar o azul na alma revestem o apagão agora, mãos despem o poema anexo na tela cinza arte, a guardar vida… Carmen Silvia Presotto – Vidráguas! Imagem: Sarolta...

Leia Mais

A VIDA (DES)AFORADA por Tânia Du Bois

A VIDA (DES)AFORADA por Tânia Du Bois A vida é o nosso maior patrimônio; nela temos a preocupação para com os bons momentos que podem nos levar ao o que queremos ser. Na cena, a única mesa barulhenta é onde a moça se destaca pela risada larga e penetrante. Gargalhada que, de repente, se altera em grito, no olhar desconfiado e no silêncio, ao ver o seu retrato na capa do livro. Sorrindo concede o autógrafo. Flagro-me na possibilidade de ver o prazer, junto com a verdade desejada em que tudo aumenta na sensação de trovejar com liberdade por andar onde não é proibido. Na realidade, boa parte da tiragem do livro era apenas lembrança da morte de sua arte. A autora, ao perfilar a evolução vital da pintora, mostrou a cultura da época e o seu...

Leia Mais

No Sarau Palavra Falada, poema enRedado Vidráguas

POEMA ENREDADO – SARAU PALAVRA FALADA- 20/08/2014 CAFÉ DO MARGS O amor que do amor é Um poema inesperado, caiu e chorou Hoje, vi uma chuva ao contrário Teu rosto, fina luz que guia meu caminho, felicidade Mirando teus olhos me perco em estrelas Palavra desnuda O calor do teu café, aquece minha alma Pensar que a monotonia da vida me alcançou depois que te foste? Não!!! Amigo, é um ser estimado, gravado com muito amor, no coração de cada um de nós Não escuto o sol No obscuro bemol E então, Abriu-se o espelho da alma Aviões cortam o céu rubro de sangue Palestino Momentos de encantamento Versos Tarde invernal De agosto. Participaram do Poema Enredado: Ana Mello, Beatriz T. B. Barbican, Beth Ramaciotti, Carmen Silvia Presotto, Dione Marques,...

Leia Mais

Passos rotos, poema de Carmen Silvia Presotto

Um poema e ao dia da fotografia, uma foto de Henri Cartier Bresson! PASSOS ROTOS Ai, na esquina tantas meninas minha pele esfria a raiva amplia o salário é curto ser sujeito é surto tanto desejo, rotos impulsos fome de gente sede de sonhos ali na esquina, densa é a esperança e tantas são as crianças abraços soltos passes sem enlaces farta é a descrença! me busco, me perco onde não me encontro a pele esfria, na esquina minha raiva amplia… o olhar encana uma dor me chama ai, na esquina minha alma esvazia. Carmen Silvia Presotto –...

Leia Mais

Escutas, poema de Carmen Silvia Presotto ao desafio poético – leitura de imagem (108).

Desafio poético – leitura de imagem (108), um projeto de Tânia Contreiras. Escutas Buscava uma ilusão deparei-me com a verdade o que, aqui seria palavra vazia um engasgo um tropeço respingos de tinta trajetos de sangue fez-se tez sem voo no mesmo sentir que te vejo, podes ser eu entre mentiras queria na pele um poema, mas hoje te peço um abraço apenas: – me escutas? Carmen Silvia Presotto – Vidráguas! Arte de Giuseppe...

Leia Mais

Viver o momento por Tânia Du Bois

VIVER O MOMENTO por Tânia Du Bois Vivo momento de alegria por ser cronista, e uma coisa é certa: escrever é atividade sem sossego. A ideia é construída ao longo dos dias. Aprender é ato ativo e o importante é que só praticando a literatura diuturnamente é que alcançamos a edição de um livro, em que tentamos demonstrar originalidade na abordagem de nossas “possíveis riquezas”. Não se trata de falar da própria autoria, mas, sobre o livro de Pedro Du Bois, EM CONTOS e do meu, O EXERCÍCIO das VOZES, que foram lidos e comentados pelo mestre e crítico Márcio Almeida: “MEU CARO PEDRO, “EM CONTOS” É A SUA VERSÃO NARRATIVA DE INTERPRETAR O MUNDO E NELA VOCÊ SE EXPÕE COM UMA FORÇA EXPRESSIVA SURPREENDENTE, SOBRETUDO NESTE...

Leia Mais

Poemas Traduzidos XCIV – Adriano Nunes

Lendo Juan Ramón Jiménez, em tradução de Adriano Nunes. Muito bom! [Às vezes, sinto] – Tradução de Adriano Nunes Às vezes, sinto como a rosa que serei um dia, como a asa que serei um dia; e um perfume me envolve, alheio e meu, meu e de rosa; e uma errância me toma, alheia e minha, minha e de pássaro. [A veces, siento] – Juan Ramón Jiménez A veces, siento como la rosa que seré un día, como el ala que seré un día; y un perfume me envuelve, ajeno y mío, mío y de rosa; y una errancia me coje, ajena y mía, mía y de pájaro. JIMÉNEZ, Juan Ramón. Formas de huir. Antología Poética. Prólogo y selección de Antonio Colinas. Madrid: Alianza Editorial, 2006, p. 299. Todas semanas trago Poemas Traduzidos por Adriano Nunes ao...

Leia Mais

Escrevendo com a imagem ao 107º Desafio Poético

Escrevendo com a imagem ao 107º Desafio Poético, projeto de TaniaContreiras Arteterapeuta. SONHO há mais asas no ser, do que imanta o círculo do abismo dar as costas à luz, aqui é seguir… entre o voo e o homem sempre estará o sonho o infinito! Carmen Silvia Presotto – Vidráguas! A arte é de M....

Leia Mais

Átimos, um poema presente de Adriano Nunes, viva!

Ganhar um poema nos alonga em existência. Gracias, gracias Adriano! “Átimos” – para Carmen Silvia Presotto Para espantar os pássaros, os braços Abre o espantalho. O vento forte bate Em suas velhas palhas. Outra esvai-se. Porém eis que se atreve um corvo a dar Seu ar de graça sobre a mão de pano E tralha. Cisca, bica, e já não há Mão, mas um grácil ninho. Ora, para Que sirvo se nem mesmo um corvo espanto? Pensa o espatifado espantalho. Nada Parece contentá-lo. Os muitos grãos Da fazenda furtados pelos pássaros Permanecem. O sol cega seu olhar Despido de farrapos. Nem um traço De medo impõe às aves. Que dor vasta Atinge-lhe os recheios! Bem será Que o fazendeiro irá fora atirá-lo Feito um trapo. Nem corvos nem as...

Leia Mais

Poema enRedado Vidráguas – pele poema!

POEMA ENREDADO – TARDE PELE POEMA Pele poema sem esquema teorema… Não sei o quero agora Momentos maravilhosos que enchem minha alma Tarde longa, novas pessoas, vidas vividas … extremamente sensíveis A beleza se produz no encontro de almas abertas O que transborda encanta o momento em voos São os delírios do tempo, poemas sem lamentos A beleza está na alma que vibra, poesia! Em 09 de agosto de 2014. Participantes: Carmen Silvia Presotto – Lota Moncada – Jeanete Maurello Gnocchi – Pâmela Soares Bratkowski – Benette Bacelar – Leris Seitenfus – Ive Soares A fotografia é de Lota Moncada, a edição de Ives Marques...

Leia Mais
Untitled Document
Home | PhotoPoemas | Clube de Leituras | Projeto Vidráguas | Publicações | YouTube | Contato

Tivemos 9.904.869 visitas desde 14/01/2009
Todos os direitos reservados. Copyright ©
Analista de Sistemas Rúbia Formigheri

Rua Francisco Ferrer, 441/507.
Rio Branco - Porto Alegre / RS
Telefone (51) 3392 3727